MA – ME – MI – MO – MU – Parte 2 Artigos, Crescimento Pessoal

autoconhecimento-movimento-vida

Uma jornada de transformação

Veja a primeira parte neste link

4 – MO – de movimento

Depois que você saiu do MArasmo, tornou-se um MEtanóico e descobriu sua MIssão de vida, é hora de se colocar em MOvimento.

A palavra movimento pode significar a variação de posição de um objeto de um lugar para outro, como ensina a Física. Mas existem outras interpretações.

Eu, particularmente, sou partidário do mobilismo de Heráclito de Éfeso, que afirmava: tudo flui. Tudo está em movimento. E ele exemplifica: o homem não se banha duas vezes no mesmo rio. Porque na segunda vez, o homem já não será o mesmo e a água, idem.

Mas para que algo se movimente, é necessário energia, visto que o conceito de energia está relacionado com a capacidade de transformar algo ou de colocar alguma coisa em movimento.

Exemplo clássico: a água faz girar as turbinas transformando energia mecânica em energia elétrica. A Física é rica em exemplos.

Mas aqui eu me refiro a outro tipo de movimento. É fazer com que a mente produza “movimentos” que o levem à ação, a agir de modo diferente. E a “energia”, neste caso é manifestada pela sua automotivação, pelo tesão em realizar algo, pelo entusiasmo, pelo seu engajamento, pelo seu dinamismo.

Movimento usa energia e produz ação.

Entretanto, antes da “materialização” da ação, existe um processo onde seu livre arbítrio o fará a ter uma escolha após a análise de várias alternativas. Escolhida a alternativa, estuda-se o momento que a ação será iniciada, o qual pode ser hoje, amanhã, semana que vem, etc.

Talvez o mais importante esteja no passo seguinte, traduzido pela intensidade que a ação será realizada. Esta intensidade de desempenho é que está diretamente relacionada à quantidade de energia dispendida (automotivação, tesão, entusiasmo, engajamento, etc.).

E será esta energia dispendida que fará você alcançar seus objetivos ou desistir do mesmo.

Onde não existe ação, não existe movimento e nem energia. E onde não existe nada disso, não existe Vida; existe apenas o existir, o marasmo.

O existir, o marasmo, nos faz ter sempre os mesmos resultados. O viver nos obriga a ter um aprendizado contínuo. Quem vive é aquele que consegue sempre melhores resultados, pois tem consciência que é um Ser em constante evolução e que não “nasceu pronto”.

A situação abaixo reflete bem a diferença entre quem apenas existe e quem vive de forma plena.

José, um ótimo funcionário há mais de 20 anos na empresa, vai até o presidente, o dono, para fazer uma reclamação:

– Doutor, já completei 20 anos de trabalho nesta empresa, sou um colaborador exemplar, dedicado, mas não me sinto muito reconhecido. Veja. O João é funcionário há apenas 4 anos e já tem uma remuneração maior que a minha.

Após escutar sua queixa, o presidente disse:

– José, antes de falarmos sobre isso, preciso de sua ajuda para resolver uma pequena questão. Nossa nutricionista sugeriu, como sobremesa do almoço, que se servissem frutas. Gostaria que você fosse até a quitanda, ali no meio do quarteirão, e veja se eles tem maçãs.

José foi e, após uns 20 minutos, disse:

– Sim, eles tem maçãs.

– E qual é o preço?

– Eu não perguntei.

– Eles tem maçãs em quantidade suficiente para a sobremesa de todos os funcionários?

– Eu também não perguntei.

– Você chegou a ver se existia alguma outra fruta que pudesse ser servida em vez da maçã?

– Também não vi.

– O.K., José. Sente aqui e espere.

O presidente pegou o interfone e pediu para chamar o João. Quando ele entrou na sala, pediu a mesma coisa que havia pedido ao José.

Em menos de dez minutos, João estava de volta.

– Eles tem, sim, maçãs para nos atender. E tem, como alternativas, banana, mamão, laranja e mexerica. A maçã custa R$ 0,30 a unidade; a banana custa R$ 4,40 a dúzia; a laranja custa R$ 3,80 a dúzia e a mexerica, R$ 4,80 a dúzia. Quando eu falei que seria uma compra grande para atender à empresa, o quitandeiro ofereceu um desconto de 20% com pagamento para 15 dias. Tomei a iniciativa de deixar um pedido reservado e que confirmaria após sua aprovação ou não.

– Obrigado, João. Pode voltar às suas tarefas.

Virou-se para o José, que continuava sentado e perguntou:

– José, sobre o que mesmo estávamos conversando?

– Nada, não. E saiu da sala.

Movimento, energia a ação mostram que quem quer evolui, amadurece e se torna melhor com o passar do tempo. São estas pessoas que tem consciência plena do último estágio desta jornada de transformação.

5 – MU – de mutabilidade

Mutabilidade é definida como a qualidade do que está sujeito a mudar.

Arthur Schopenhauer nos ensina que:

Deveríamos ter sempre diante de nossos olhos o efeito do tempo e a mutabilidade das coisas. Por conseguinte, em tudo o que acontece no momento presente, imaginar de imediato o contrário, como evocar a infelicidade na felicidade, a inimizade na amizade, o clima ruim no bom, o ódio no amor, a traição e o arrependimento na confiança e na fraqueza, e vice-versa.

Isto seria uma fonte inesgotável de verdadeira prudência para o mundo, na medida em que permaneceríamos sempre precavidos e não seríamos enganados tão facilmente. Na maioria das vezes, teríamos apenas antecipado a ação do tempo.

Talvez, para nenhum tipo do conhecimento, a experiência seja tão imprescindível quanto na avaliação justa da inconstância e mudança das coisas.

……………

Prudente é quem não é enganado pela estabilidade aparente das coisas e ainda antevê a direção que a mudança tomará.

A verdade é que, além do “tudo flui” de Heráclito, tudo é mutável, incluindo coisas e pessoas. A única coisa imutável é a mudança.

E se tudo está sujeito a elas, isto significa que nada é estático. E se não é estático, está em movimento. E onde existe movimento, existe energia e ação. E onde existe tudo isso, existe Vida.

Talvez esta seja a razão de sermos seres mutantes. Mudamos à medida que vivemos, assim como as coisas, o  mundo, o Universo.

Quantas pessoas você conhece e que também mudaram? Por exemplo: algumas venceram a timidez, outras deixaram de ser mal-humoradas, outras tantas venceram a depressão e outras mais se livraram de algum trauma da infância.

Ter a consciência que somos seres mutáveis já é meio caminho andado para nos tornarmos melhores.

Certamente, caro leitor ou leitora, você já escutou falar de pessoas que fazem a diferença. Estas pessoas representam a mutabilidade e procuram sempre melhoramentos pessoais e profissionais.

Para elas as palavras re-ciclar (iniciar um novo ciclo) e re-novar (iniciar algo novo) são constantes em suas vidas, tal o nível de consciência de sua mutabilidade.

E quem são estas pessoas, conscientemente mutáveis, que se destacam e que fazem a diferença? Somos eu, você ou qualquer pessoa que desenvolve algumas características, tais como:

  • tem a consciência de que o tempo não para. Para fazer a diferença, a pessoa tem que agir agora. Não adianta reclamar por não ter feito algo antes ou procrastinar e deixar para o futuro aquilo que poderia ter sido feito hoje;
  • quem fica parado é poste. Se não houver ação de sua parte, você permanecerá no mesmo lugar. Portanto, aja, evolua, aprimore suas atividades e aumente seu autoconhecimento;
  • uma transformação só depende de você. O ambiente onde você está inserido (pessoas, acontecimentos, situações) lhe fornece os subsídios para que você se transforme e se torne mais capaz. Mas se não houver mudanças, você continuará vendo o NOVO com os mesmos olhos velhos. E você só continuará vendo o VELHO;
  • uma transformação faz você trocar sua “zona de conforto” por uma “zona de desconforto”. Assim você não terá motivos para viver acomodado e se achando o “dono da verdade” ou o “rei da cocada preta”. E não esqueça: se o seu objetivo foi alcançado, procure outro e não fique vivendo em função deste sucesso. Amanhã, produtos, serviços, processos e, acima de tudo, Seres Humanos, estarão melhores e o seu sucesso…; bem, só você vai continuar se lembrando dele, ninguém mais. Ficar na “zona de conforto” evita que você assuma novos desafios e embota o seu crescimento pessoal e profissional. E nunca esqueça que viver é um eterno aprender.

Pessoas que fazem a diferença são aquelas que nunca desistem. Podem perder uma batalha, mas não perdem a guerra. Tem a capacidade de transformar sua forma de pensar e agir quando a ocasião assim lhe exigir. E seguem seu caminho, sempre aprendendo e se aperfeiçoando continuamente.

Com relação ao trabalho, tais pessoas o veem como tendo um significado maior, gerando mais motivação, prazer, prosperidade e reconhecimento. Isto torna mais forte sua auto-estima, reduz o estresse negativo e aumenta o positivo, facilita o trabalho em equipe e aumenta sua criatividade, seu poder inovador e seu bom humor.

Mas o que não deve ser esquecido, e tais pessoas sabem muito bem disso, é que tudo o que funciona hoje, tornar-se-á obsoleto amanhã, e de forma extremamente rápida. Por isso a pessoa que faz a diferença nunca se aquieta e está em constante transformação, procurando acompanhar o mesmo ritmo que o mundo globalizado lhe impõe.

São de Peter Drucker as seguintes palavras: “parece haver pouca correlação entre a eficiência de um homem e sua inteligência, sua imaginação ou seu conhecimento. Inteligência, imaginação e conhecimento são recursos essenciais, mas só a eficiência os converte em resultados. Sozinhos, estes recursos apenas estabelecem limites”.

Tais pessoas são aquelas que tem competência para desenvolver suas próprias competências.

Use a sugestão do MA – ME – MI – MO – MU como uma jornada de transformação diária.

Você pode escolher ficar onde está ou escolher mudar para melhor. Como afirmava Gandhi: “seja você a mudança que deseja ver no mundo”.

Fava Consulting – Para viver com muito mais Qualidade

Luiz Roberto Fava

Autor: Autor: Luiz Roberto Fava

Especialista em Endodontia, palestrante de Qualidade de Vida Integral.

MA – ME – MI – MO – MU – Parte 2
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Deixe um Comentário