Recall, Check-up e Saúde Artigos, Qualidade de Vida, Saúde

Na segunda semana do mês de outubro de 2010, a mídia anunciou que o não comparecimento dos proprietários de veículos aos recalls da indústria automobilística passarão a constar do Registro Nacional de Veículos (RENAVAM) através de aviso dado pelas montadoras ao Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN). Isto significa que, o proprietário que não fizer o recall de seu veículo poderá ter problemas no momento da venda do mesmo.

O recall nada mais é do que uma solicitação de troca de peças ou devolução de um lote ou de uma linha inteira de produtos feita pelo fabricante. Constitui-se em uma tentativa de limitar a responsabilidade por negligência corporativa e aprimorar ou evitar danos aos proprietários destes produtos ou à imagem da empresa.

Embora mais comuns na indústria automobilística, existem casos de recalls na indústria farmacêutica e de brinquedos. Quanto ao comparecimento aos recalls da indústria de automóveis, no Brasil, apenas 45% comparecem para atender à solicitação da indústria, enquanto que nos Estados Unidos e no Japão este comparecimento chega a 90%.

De acordo com Daniela Trettel, advogada do Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC), “o recall é feito em casos de defeitos graves que podem comprometer a segurança ou a saúde do consumidor”.

Mas, antes de anunciar o recall, certamente a empresa realizou um cuidadoso check-up para diagnosticar e verificar aquilo que precisa ser trocado, devolvido ou removido do mercado.

É claro que aqueles proprietários que não comparecem ao recall continuam a usar seus carros como se nada houvesse de errado. Q ando o problema se manifesta, aí sim, “cai a ficha” e, em pouco tempo, o recall é agendado.

Você conhece pessoas com este tipo de comportamento? Que só toma uma atitude quando o problema se manifesta? Eu conheço várias.

Mas agora eu peço sua atenção para um ponto muito importante. Você sabia que nosso corpo (sim, temos um corpo) é como o carro? Uma máquina que necessita sempre de manutenção, uma máquina que deve funcionar bem todos os dias?

Entretanto, esta máquina, que é diariamente exigida, que aparentemente funciona muito bem, pode, com o correr dos anos, esconder desvios e distúrbios sem apresentar sinais e sintomas. Muitas manifestações patológicas só são descobertas quando sinais e sintomas se manifestam clinicamente, mas que poderiam ser evitadas de uma forma precoce através da prevenção, realizadas com idas periódicas ao médico e pela realização de um check-up.

É fato notório que, no mundo corporativo atual, seus colaboradores, desde o nível operacional até a presidência, podem apresentar um número muito grande de alterações físicas e psicológicas decorrentes das demandas exigidas.

Entidades da área de saúde que possuem programas de check-up corporativo, como o Hospital Albert Einstein, o Hospital Oswaldo Cruz, o Laboratório Fleury, entre outras, verificaram que a saúde de homens e mulheres que trabalham vai muito mal. De uma forma geral, as principais alterações detectadas, após a análise dos resultados dos check-ups foram: altas taxas de colesterol e triglicérides, sedentarismo, sobrepeso e obesidade, hipertensão arterial, tabagismo, alimentação inadequada, síndrome metabólica, esteatose hepática e alto índice de estresse, traduzido por dores musculares, ansiedade, insônia e depressão. Muitas destas alterações, quando não tratadas, poderão ser as responsáveis por ataques cardíacos e derrames cerebrais os quais poderão acabar com a carreira de um profissional talentoso.

E pensar que isto pode ser evitado.

Check-up

O doutor R. Wilson, diretor-médico da Omint, afirma: “os executivos são verdadeiros homens-bomba. Podem estar aparentemente saudáveis hoje, mas com o estilo de vida que levam, vão enfrentar problemas de saúde em curto espaço de tempo”.

Muitas corporações, preocupadas com a saúde física e mental de seus colaboradores, tem oferecido uma gama bastante ampla de alternativas para este fim.

Uma delas, e talvez a mais valiosa para se desenvolver programas e ações visando uma melhor saúde e qualidade de vida, é o check-up, um conjunto de vários exames que podem revelar o atual estado de saúde do indivíduo e contribuir para que não se manifestem problemas que, no futuro, poderão impactar seu desempenho e sua carreira.

Independentemente de ser feito pela própria pessoa, por solicitação médica, ou através de um convênio entre a corporação e u hospital ou laboratório, o check-up deve ser feito de forma anual ou, no máximo, a cada dois anos.

Empresas que oferecem o check-up como u m benefício a mais, são aquelas que demonstram preocupação para com seus colaboradores e estão plenamente cientes que estas pessoas, plenamente saudáveis, produzem mais, engajam-se mais e são mais felizes. Isto proporciona redução da sinistralidade, menos absenteísmo e resução de custos.

De acordo com a pesquisa realizada pela Towers Perrin, 62% das empresas brasileiras pesquisadas já oferecem o check-up como rotina. Deste grupo, este procedimento é oferecido em 100% para a diretoria, 75% para gerentes, 17% para chefias e supervisores, 9% para o pessoal administrativo e 8% para o nível operacional, sendo que em 97% dos casos é a empresa que banca seu custo.

Como este custo é muito alto, este benefício é mais restrito para os cargos de gerência para baixo. Mas, se a pessoa tiver um plano de saúde, próprio ou oferecido pela empresa, qualquer médico poderá orientá-la sobre quais exames deverão ser realizados.

A verdade é que, além do diagnóstico prematuro de enfermidades e atuar na sua prevenção, o check-up é uma ferramenta que poderá orientar o indivíduo a corrigir hábitos, melhorar sua saúde e sua qualidade de vida como um todo.

O diagnóstico precoce de uma doença aumenta muito sua possibilidade de cura. O Dr. Renato Bertolucci lembra: “identificar a existência de uma insuficiência coronária, por exemplo, pode evitar o infarto e complicaões graves. Doenças cardiovasculares, diabetes, hipertensão arterial, doenças infecciosas, renais, metabólicas, hepaáticas ou câncer, são problemas que podem ser detectados e mapeados pelo check-up”.

Mirando o futuro

O check-up, como elemento de prevenção de doenças, deve se iniciar, geralmente, na faixa etária dos 40-45 anos, visto que é nesta faixa que os problemas de saúde começam a aparecer. Entretanto, esta faixa tem uma tendência a ser reduzida, visto que jovens entre 30 e 35 anos já vem apresentando problemas de saúde.

O que é mais triste é o fato que, mesmo de posse dos resultados ruins, a pessoa não muda seu estilo de vida. Elas só vão se conscientizar que precisam mudar após sustos e sobressaltos de sua saúde. Quantas pessoas você conhece que só mudaram seus hábitos após sofrer uma angina, um infarto ou um enfizema pulmonar?

É difícil a mudança? Sim, pode ser. Impossível? Nunca. Querer é poder.

Por isso, muitas empresas, considerando os maus resultados da saúde de seus colaboradores, estão investindo mais nesta  área. Palestras, cursos, campanhas, e uma série de outras medidas já fazem parte de programas que visam aumentar e melhorar a saúde e a qualidade de vida dos seus colaboradores.

Entre tantas, destaco uma que me parece muito estimulante. Consiste em oferecer incentivos para quem melhora seus resultados (emagrecer, parar de fumar, fazer atividade física, etc.), como bônus, prêmios ou atrelar a melhoria da saúde à participação nos lucros da empresa.

Embora esta prática seja muito baixa no Brasil (17%), quando comparada aos Estados Unidos (56%), Ásia (42%) ou Austrália (33%), a tendência é que mais empresas reconheçam o esforço daqueles colaboradores que desejam melhorar sua saúde.

Eu, particularmente, me preocupo muito com minha saúde, e realizo meu ckeck-up anualmente. Além disso procuro manter minha saúde física e mental como deve ser, fazendo uma atividade física, me alimentando de forma saudável, dormindo bem, não fumando, tendo prazer nas coisas que faço, etc.

Aliás, no meu último check-up, eu conversava com a médica sobre o resultado do meu teste ergométrico, quando ekla me interrompeu:

– Dr. Fava, um instante. Seu coração está ótimo. Deixe-me salvar os resultados no computador.

E eu pensei comigo:

– Ela salva no computador. E eu “me salvo”, procurando manter uma boa saúde.

Quanto mais saudável for seu estilo de vida, provavelmente melhores serão os resultados dos seus check-ups e menores as necessidades da realização de recalls (idas ao médico, tratamentos, cirurgias, etc.).

“Investir em saúde é melhor do que gastar em doença”, afirma Pedro Paulo Spósito. E este tipo de opção é toda sua. Só assim você terá e manterá uma ótima qualidade de vida.

E para que você se sinta mais motivado (a) e olhe para sua saúde com mais cuidado e atenção deixo uma frase para sua reflexão: a gente nasce sem pedir e morre sem querer; por isso, aproveite o intervalo.

Luiz Roberto Fava

Autor: Autor: Luiz Roberto Fava

Especialista em Endodontia, palestrante de Qualidade de Vida Integral.

Recall, Check-up e Saúde
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Deixe um Comentário