Caos e mudanças Crescimento Pessoal, Inovação

mudancas-produtividade

Mudança…, mudança…, mudança…

Vivemos em um  mundo onde a realidade de hoje será aula de História amanhã. Tudo, exatamente tudo, dentro e fora de nós, está mudando rápida e continuamente.

O filósofo grego Heráclito (550 a.C – 480 a.C.) afirmou que o Homem não entra duas vezes no mesmo rio porque, na segunda vez, ele já não será o mesmo Homem e a água também não será a mesma.

Desde então, muitos se manifestaram sobre o tema procurando mostrar que a única coisa imutável é a mudança.

Tudo é mudança; tudo cede o seu lugar e desaparece. (Eurípedes)

Uma mudança deixa sempre patamares para uma nova mudança. (Maquiavel)

As mudanças nunca ocorrem sem inconvenientes, até mesmo do pior para o melhor. (Hooker)

Na Natureza nada se cria, nada se perde; tudo se transforma. (Lavoisier)

A mudança tem início quando alguém ve a próxima etapa. (Dayton)

O progresso é impossível sem mudança. Aqueles que não conseguem mudar as suas mentes não conseguem mudar nada. (Shaw)

Seja você a mudança que você quer ver no mundo. (Ghandi)

Quando os ventos da mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento. (Veríssimo)

Infelizmente a grande maioria das pessoas não as percebem ou, quando percebem, resistem a elas. E, ao resistir a elas, procuram criar algum tipo de controle sobre ela. Buscam explicações para torna-las mais previsíveis e mais seguras para evitar que o caos se estabeleça. Tais pessoas preferem ficar em suas “zonas de conforto” vendo a Vida de forma previsível e segura. Buscam, a todo custo, evitar o caos.

Caos nada mais é do que um estado de desordem, confusão extrema, desarranjo, bagunça, anarquia, como definem os dicionários. Também pode significar algo como “corte”, “rachadura”, “cisão” “ou separação”, como visto na Wikipédia.

Entretanto, a evolução da Ciência vem demonstrando a importância do caos como um pré-requisito das mudanças e da evolução. Aliás, a esse respeito, Charlotte Shelton assim se manifesta: “sem o caos da mudança, a Vida estagna”.

Não me cabe aqui discorrer sobre a Teoria do Caos. Mas o que quero ressaltar é que uma pequena mudança no início de um processo pode gerar consequências imprevisíveis no futuro.

Talvez você já tenha ouvido falar no “efeito borboleta”, descrito por Edward Lorenz em 1963. Ele afirmava que “o bater das asas de uma borboleta em algum lugar do mundo poderia provocar um tufão no outro lado do mundo”.

Um evento como esse, imprevisível, caótico, também acontece em nossas vidas. Veja o exemplo abaixo, descrito em “O que é a teoria do caos?

  1. A essência da teoria do caos é que uma mudança muito pequena nas condições iniciais de uma situação leva a efeitos imprevisíveis. É o que acontece nesse exemplo hipotético, em que uma menina brinca despreocupadamente com sua bola. Parece uma situação sem grandes consequências, mas…
  2. … uma borboleta surpreende a garotinha! Pronto: apareceu a tal “pequena alteração nas condições iniciais”. Com o susto, ela deixa a bola cair.
  3. A bola vai rolando em direção à estrada e a menina corre atrás para recuperá-la. Enquanto isso, um caminhão carregado de sal está passando por ali.
  4. Para não atropelar a menina, o motorista vira o volante subitamente. Mas o caminhão não aguenta a manobra e tomba. O veículo começa a pegar fogo.
  5. Todo o suprimento de sal começa a torrar. A fumaça do incêndio está carregada de minúsculas partículas de cloreto de sódio, que sobem para as nuvens.
  6. Nas nuvens, as partículas de cloreto de sódio atraem pequenas gotinhas de vapor d’água e começam a formar gotas de chuva, que crescem até terem peso suficiente para cair.
  7. Com as nuvens pesadas, começa a chover depois de algum tempo. Ou seja, a brincadeira inocente da menina, no fim, produziu uma alteração imprevisível nas condições climáticas!

O caos também está presente dentro de nós, quando não nos sentimos “completos”, quando sentimos que “preciso mudar algo em minha vida”.

É comum passarmos por períodos ruins, turbulentos, que nos “tiram do prumo” e que acabam afetando qualquer área do nosso Ser. O aparecimento de uma doença grave, a perda de um emprego, morte repentina de um ente querido são exemplos que podem tornar nossa vida caótica.

Entretanto, o que poderia ocorrer se começássemos a perceber que este “caos” tem seus aspectos positivos? Como você poderia mudar sua maneira de ser se, por exemplo, a perda de seu emprego lhe transformasse em um grande empreendedor?

É neste ponto que quero chegar. O caos vai gerar tal desequilíbrio que fará a mudança acontecer. Ele nos leva a “parar para refletir”, a “pontos de bifurcação”, a situações ideais para fazermos nossas escolhas,

E será neste ponto que você poderá optar entre seguir seu caminho seguro, previsível, controlado e com medo (estagnação) ou mudar e seguir um novo caminho, sem medo, com novas alternativas, mais imprevisível mas no qual você acredita e que poderá ser mais útil do que era e que o faça mais feliz (evolução).

Particularmente senti isso na minha própria área profissional da minha vida e que relatei no texto “Construir mudanças para realizar o futuro

Dana Zohar e Ian Marshall, em seu livro The Quantum Society: Mind, Physics and a New Social Vision (New York: William Morrow, 1994), assim se referem ao teorema de von Foerster, formulado para descrever o comportamento de sistemas que tem um livre intercâmbio de informações:

Para nossa imaginação mecanicisticamente condicionada, o teorema parece ir contra o senso comum. Ele argumenta que, se um elemento de um sistema é rigidamente determinado, rigidamente fixado no lugar, esse elemento perde sua relação com o todo. Ele se torna isolado ou “alienado”. Inversamente, diz o teorema, quanto menos fixo ou quanto mais incerto for o comportamento de qualquer elemento do sistema, maior será sua influência sobre o sistema como um todo. Nossas intuições mecanicistas vão no sentido contrário. Nosso impulso é o de que a totaslidade de um sistema será mais bem-determinada se “pregarmos” suas partes no lugar.

Com relação ao trabalho e à produtividade laboral, relatei em meu texto “Novas formas de trabalho. Mais qualidade de vida” que as empresas estão mudando a “maneira de ser” do trabalho.

Hoje elas já permitem novas formas de se trabalhar aliando tecnologia e mobilidade visando maior produtividade tendo em vista que, na atualidade, atuamos em mercados dominados por uma economia globalizada.

Isto significa que a forma de se trabalhar vem sendo mudada para melhor, onde a qualidade de vida tem sido implementada através de novas ações. Diferentemente de tempos atrás onde produtividade e qualidade de vida eram coisas que não se misturavam. Acredito que em um futuro não muito distante poderemos trabalhar com menos estresse, menos ansiedade e continuarmos sendo (até mais) produtivos.

Compare o jeito que seus pais e seus avós trabalhavam. E perceba como isso vem sendo mudado com o correr do tempo.

Finalizo este texto com a citação de Frances Hodgson Burnett, para que você reflita um pouco mais sobre a importância do caos nas mudanças que ocorrem em todos os aspectos das nossas vidas, sejam elas internas ou externas:

A princípio, as pessoas se recusam a acreditar que uma coisa nova e estranha possa ser feita; e, depois elas começam a ter esperança de que ela possa ser feita. Depois veem que ela pode ser feita. Então ela é feita e todo mundo se pergunta porque já não havia sido feita há séculos.

Fava Consulting – Qualidade de Vida Integral, sempre.

Luiz Roberto Fava

Autor: Autor: Luiz Roberto Fava

Especialista em Endodontia, palestrante de Qualidade de Vida Integral.

Caos e mudanças
0 votes, 0.00 avg. rating (0% score)

Deixe um Comentário